ana mata


seleção de trabalhos


Curriculum Vitae

Ana Mata,
vive e trabalha em Lisboa.

Formação

2016 - Doutoramento em Belas-Artes (Pintura) pela Universidade de Lisboa.
Tese intitulada: O apelo: Estudo sobre a vocação.
2006 - Mestrado em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Dissertação intitulada O toque na superfície da fonte.
2003 - Licenciatura em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Bolsas

2000/ 2001 - Bolsa de estudo de mérito da Universidade de Lisboa, sob proposta da Faculdade de Belas-Artes.

Experiência de investigação e docência

2011-2017 - Investigadora integrada na Secção de Pintura do Centro de Investigação e Estudos em Belas Artes (CIEBA) da FBAUL.
Desde 2010 - Docente do curso de Pintura da FBAUL das UC's de Modelos, Iniciação à Pintura (Licenciatura de Pintura).

Publicações

2019 - Fotografia jacto de tinta no livro de Kafka, Considerações sobre o pecado, o sofrimento, a esperança e o verdadeiro caminho. Trad. Cristina Motta. Lisboa: Sr. Teste, 2019.
2017 – Diálogo sobre o rastro. In Rastro, Sara Belo. Montemor-o-Novo: Galeria Municipal de Montemor-o-Novo. (Catálogo).
2017 – Álbum Ana Mata. Devir, Revista Ibero-Americana de Cultura, nº4. Ruy Ventura e Nuno Matos Duarte (dir.). Editora Licorne. ISNN 2183-5381-04. capa e pp. 97-109.
2016Preto no Branco. Ed. Catarina Domingues e Tiago Baptista. Fanzine. (fotografia)
2014 – O mistério da pintura [com Margarida Prieto]. In And Painting? A pintura contemporânea em questão. Coord. Isabel Sabino. Lisboa: CIEBA / FBAUL, 2014, pp. 247-249.
2013 – A pintura transparente. In AA.VV. – Com ou sem tintas: composição, ainda? Coord. Isabel Sabino. Lisboa: Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2013. pp. 227-247.
2012 – A câmara escura interior. In Gratuita. Editorial e organização Maria Carolina Fenati. Belo Horizonte; Lisboa: Chão da Feira, 2012. vol. 1. ISBN 978-85-66421-02-6. pp. 112-123.

Exposições

desde 2003 - Representada por Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa.

Exposições Individuais

2020Pintura, Módulo - Centro Difusor de Arte, Lisboa
2017Árvores, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2016Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2010Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2007Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2006 Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Porto
Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2003Pintura, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
Vamos Águas, instalação de fotografia na galeria da Cisterna da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

Exposições Coletivas

2021100 anos 100 artistas. Exposição comemorativa do centenário do PCP na Gare Marítima de Alcântara.
A Hunted Time, Casa do Capitão (Lisboa). Curadoria de David Revés e Nicolai Sarbib. Produção Thirdbase Studio.
Coletiva de verão, Módulo, Centro Difusor de Arte.
Livros de Artista de Artistas Mulheres. Fundação Calouste Gulbenkian.
Caudal, exposição do Humor Líquido na Cisterna da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa.
2020É pelo olhar que muda o homem e o mundo, colectiva no Módulo - Centro Difusor de Arte.
Ser breve, o intervalo em 2020. Vídeo-instalação na Feira Gráfica. Pavilhão Branco, Museu da Cidade.
2019Feira Gráfica Lisboa, Edições independentes e livros de artista. chama|ficção (ana mata | catarina domingues). Publicações
Speculum cum macula, colectiva no Módulo - Centro Difusor de Arte
O dia é meu amante, vídeo instalação chama|ficção (com Catarina Domingues e Ricardo Ribeiro, música). Cisterna da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.
Fulgor quotidiano, vídeo-instalação chama|ficção (com Catarina Domingues) e solo de Ricardo Ribeiro. PenhAsco.
2018Ensaio sobre a terra, uma exposição do Humor Líquido na Galeria Municipal de Montemor-o-Novo
chama|ficção, vídeo-instalação com Catarina Domingues na Módulo, Centro Difusor de Arte, em loop na noite de 20 de abril
– Maja, chama|ficção, vídeo-instalação com Catarina Domingues, no Ciclo da Primavera da Electricidade Estética, Caldas da Rainha
Moving north | A primavera vem do norte. Colectivo humor líquido, no Maxilla Space, London. A convite de Ana Carolina Rodrigues
Ensaios sobre a (in)flexibilidade do natural. Mostra no Ministério do Ambiente, Lisboa. Curadoria de Andreia César
Imaginatio. Modulo, Centro Difusor de Arte
2017 – Exposição do 11º Prémio de Pintura Amadeo de Souza Cardoso, Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso, Amarante
Estampa, Madrid. Stand do Módulo - Centro Difusor de Arte
2016Olhares cruzados / Identidades diversas , Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2013Histórias públicas... mundos privados, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2012Open Stock, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2010Res Pública, 1910 e 2010 face a face. Cur. Helena de Freitas e Leonor Nazaré. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
Arte Lisboa, Módulo, Centro de Congressos de Lisboa, Lisboa
2009Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
Coleccionar I, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2008Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
20073º Prémio de Pintura Ariane de Rothschild, Lx Factory, Lisboa
Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
Isto não é uma flor, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2006Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
2005Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
XXX (1975-2005), Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
Identidade como ficção, narrativas contemporâneas, multiculturalismo e
diversidade
, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra
Propostas no papel, Módulo – Centro Difusor de Arte, Porto
2004Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
Salão Europeu de Jovens Criadores 2004, em Montrouge (França), Sant Cugat (Espanha) e Amarante
Geração 2003, Módulo – Centro Difusor de Arte, Porto
Geração 2003, Módulo – Centro Difusor de Arte, Lisboa
2003Arte Lisboa, Módulo, F.I.L., Lisboa
2002The opposite direction/ easily reversible, na galeria Zé dos Bois, Lisboa

Exposições da chama | ficção (Ana Mata | Catarina Domingues) no separador chama | ficção

Representada nas seguintes coleções públicas

António Cachola, Campo Maior
Círculo de Artes Plásticas, Coimbra
Coleção de Livros de Artista e Edição Independente, Fundação Calouste Gulbenkian
Col. MG, Alvito
Col. Fernando Figueiredo Ribeiro, Quartel, Abrantes
Fundação Ilídio Pinho, Porto
Fundação Carmona e Costa, Lisboa
Fundação Rui Osório de Castro, Lisboa

Referências

CORDEIRO, Marta – Ana Mata. Lisboa: Módulo: Centro Difusor de Arte Contemporânea, 2010. (Folha de Sala)
CORDEIRO, Marta – Ana Mata. Umbigo. Dir. Elsa Garcia e Miguel de Matos. N. 35. Lisboa: Umbigo-Edições Lda., 2010
FAZENDA, Maria do Mar – Ana Mata. In 3º Prémio de Pintura Ariane de Rothschild [catálogo]. Coord. Filipa Oliveira. Banque Privée Edmond de Rothschild Europe, 2007
GEADA, Eduardo - "Ana Mata, Pintar até ao fim". In Arte e Teoria. Coord. José Carlos Pereira. Nº18/19, 2018, pp. 187-196.
LAMBERT, Fátima – Espaço Feliz, estética escondida – casa & sujeito. In Salão Europeu de Jovens Criadores 2004, Montrouge (França), Sant Cugat (Espanha) e Amarante [catálogo].
MOTTA, Eleonor – Vamos Águas, Galeria da Cisterna [catálogo]. Lisboa: Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, 2003
NICOLAU, Ricardo – The opposite direction/ easily reversible [catálogo]. Lisboa: ZDB, 2002
POMAR, Alexandre - http://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2007/05/exposio_3_ana_m.html, http://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2007/12/prmios.html#more, https://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2020/12/ana-mata-2020.html
PORFÍRIO, José Luís
– Pintura, Ana Mata. E: A revista do Expresso. Nº 2265 (25 março 2016), p. 85
– Árvores, Ana Mata. E: A revista do Expresso, Nº 2333 (15 julho 2017), p. 91
– Pintura, Ana Mata. E: A revista do Expresso, Nº 2513 (24 dezembro 2020), p. 91
RUIVO, Ana – The opposite direction/ easily reversible. Expresso (06 Abril 2002)
RUIVO, Ana – Geração 2003. Expresso (3 janeiro 2004)
VIDAL, Carlos – Ana Mata – O poço: Que mulher em queda é esta? Revista Sábado (jps). Nº 56 (março 2016), p. 39
XAVIER, Ágata – Árvores de Ana Mata. Sábado, nº 688 (12 julho 2017), p. 24

Exposições. Público (6 maio 2006)
Exposições. Casa e Jardim, nº 339 (junho 2006)

Na web:

ProjectoMAP
Colectivo humor líquido